domingo, 6 de novembro de 2011

Torne-se Indispensável para o Seu Empregador

A segurança no emprego e o progresso na carreira são aspectos que estão na mente da maior parte da massa laboral. Perguntas como: será que o meu contrato será renovado ou será que desta vez irei receber a promoção? Muitas vezes são fonte de ansiedade ou insegurança.
A sugestão que trago para quem vive estes momentos e tem aspirações de progredir na carreira é que se torne indispensável para a sua organização. Se queres progredir, desenvolva capacidades que complementam o que você já faz bem.
O artigo da Harvard Business Review de Outubro, 2011[1], sugere uma excelente forma de desenvolver o seu potencial de forma linear. Este artigo sugere que o segredo está no identificar aspectos comportamentais e de liderança que são críticos para a sua função, e distinguir o que você já faz bem, e o que precisa de melhorar. O artigo sugere ainda que identifique o aspecto comportamental que, se você for excelente nele, tem maior potencial de lhe tornar mais influente e destacável entre profissionais na sua área, e deste modo tornar-lhe indispensável para o sucesso da sua organização.
A titulo de exemplo, uma competência técnica como Gestor Financeiro ou Gestor de Informática, pode tornar-se mais efectiva quando associada à excelentes capacidades de comunicação. Este aspecto automaticamente melhora a sua capacidade de relacionamentos interpessoais e de influenciar positivamente as pessoas à sua volta. O desenvolvimento do aspecto de comunicação torna o profissional mais acessível o que encobre qualquer lacuna que possa ter no aspecto técnico pois a sua capacidade de comunicar abre-lhe para receber feedback, aceitar ideias dos outros e estes por sua vez tornam-se mais predispostos e tolerantes aos seus erros.
Para chegar a este nível de efectividade, o artigo sugere quatro passos básicos e simples, que foram testado em cerca de 30,000 líderes. O estudo concluiu que o que distingue os lideres do resto da massa laboral, é a capacidade de identificar dois a três aspectos comportamentais críticos para a organização e um ou dois que são naturais a pessoal e desenvolve-los ainda mais. O estudo concluiu que os 16 aspectos comportamentais abaixo identificados correlacionam fortemente com bons resultados empresariais, e que cada um deles tem pelo menos uma dúzia de outros comportamentos associados cujo desenvolvimento pode enaltecer o desempenho do profissional e torna-lo indispensável.
1.        Capacidade Relacionadas ao Carácter:
·         Demonstra honestidade e integridade
2.        Capacidade Pessoais
·         Demonstra capacidades técnicas e profissionais
·         Resolve problemas e análisa assuntos diversos
·         Inova
·         Pratica auto-desenvolvimento
3.       Resultados
·         Focaliza nos resultados
·         Estabelece metas acima do esperado para a sua função
·         Toma iniciativa
4.       Capacidades Interpessoais
·         Comunica de forma poderosa e a todos os níveis
·         Inspira e motiva aos outros
·         Constrói relacionamentos
·         Desenvolve aos outros
·         Colabora e promove o trabalho em equipa
5.       Liderança de Mudanças
·         Desenvolve perspectivas estratégicas
·         Lidera mudanças ou influencia os colegas para aderirem facilmente às mudanças
·         Liga o grupo ao mundo exterior
A lista é longa, mas os autores do artigo advertem: escolha uma capacidade a desenvolver, e escolha outra que facilmente se associa a ela, e desenvolva-a de forma linear. 
Como posso fazer isso?
Aqui vão quatro dicas:
1.   Identifique os teus pontos fortes: Existem várias maneiras de identificar como por exemplo a auto-avaliação, as avaliações do desempenho passadas, o feedback que já recebeu, mas gostaria de lhe sugerir uma análise de 360o que consiste em recolher informação em pessoas a todos níveis (supervisores, superiores hierárquicos, colegas do meus nível profissional, colegas abaixo de si, seus subordinados, familiares, amigos) – se pretende um ferramenta simples para a sua análise 360o que possas aplicar pessoalmente, registe-se no Newsletter da ATOS, Lda e envie-me um  e-mail solicitando a ferramenta grátis. Quando receberes os resultados, não resista à informação, o que importa para este exercício, não é o que você pensa de si, mais sim como os outros lhe percepcionam, o que significa o impacto você tem sobre os outros!
2.   Escolha os pontos fortes a trabalhar neles. A tendência quando recebemos feedback é focalizar nos pontos francos e trabalhar neles. Ë importante, mas para este exercício, sugerimos que coloque a sua energia no que você já faz bem, e naquelas competências que também são importantes para a organização, especialmente para melhorar o seu impacto e influência. Paralelamente, escolha uma competência que você tem certa paixão por ela. Uma vez identificadas duas a três tais competências conforme a lista acima, faça a seguinte análise:
  • Será que procuro naturalmente por formas de melhorar esta competência?
  • Será que naturalmente procuro por novas formas de usa-las?
  • Será que estou suficientemente ernergizado, não cansado, quando estou a usar estas capacidades?
  • Será que procuro projectos que possa aplicar estas competências?
  • Posso imarginar-me a gastar tempo para melhorar?
  • Irei gostar de tornar-me melhor nestas competências?
Conte os sim, se forem pelo menos quatro, mãos à obra. Se forem menos, reveja as competências escolhidas. A ideia é que você se sinta entusiasmado, energético e com expectativa de excelentes resultados. Não pode ser trabalho adicional, tem que fazer parte de quem você já é, apenas melhor!
3.   Escolha um comportamento complementar: Esta pode e deve ser uma competência ou de carácter ou interpessoal.  As pessoas com bom carácter e que ajudam aos outros a desenvolverem um bom carácter, são vistas como exemplo a seguir e se associar este aspecto a capacidades interpessoais tais como comunicar de forma poderosas, inspirar e motivar, construir relacionamentos genuínos e profundos, têm maior potenciar de se tornar um lidere carismáticos. O que é um líder? Ë alguém que inspira aos outros a seguirem-no sem exercer poder!
4.   Desenvolva as capacidades escolhidas de forma linear: já escolheste, agora focalize em desenvolver as capacidades de forma linear – procure situações em que você precise de usar essas competências. Por exemplo, se você decidiu desenvolver a capacidade de comunicar, reduza o número de e-mails que envia e opte por falar face a face com as pessoas que estão perto de si, enquanto fala estude as suas reacções faciais e vá ajustando o seu tom de voz, e o seu nível de energia de forma a deixar a outra pessoas mais a vontade e receptiva. Nunca termine uma conversa deixando a outra pessoa pior do que quando você começou. Deixe sempre a outra pessoa com impressão de ter recebido algo de si. Se quer comunicar para grandes grupos, peça um encontro informal de 10 minutos e comunique. Se precisa de comunicar-se com alguém distante de si, fale ao telefone, e depois pode enviar o seu e-mail. Se por sua vez decidiu desenvolver a capacidade de inspirar aos outros, inpira-se primeiro e decida inspirar pelo menos três pessoas por dia, fazendo-as ver que há sempre algo de bom em tudo o que acontece. No simples bom dia, você pode encontrar uma oportunidade para inspirar alguém. Você já notou que a maioria dos Moçambicanos nunca dizem que estão bem mas dizem frequentemente mais ou menos? – então você tem um espaço para influenciar alguém para passar de mais ou menos para bem. Subscreva a sites que lhe enviem frases diárias inspiradoras e assim você terá uma frase por dia que poderá exercitar e usar para influenciar aos outros.
Pratique e diga-me como vai a sua mudança. A ideia é que você se torne indispensável de modo que o empregador fique preocupado com sua possível saída, e não que você fique sempre preocupado com a possível não renovação do seu contrato. O tempo em que os conhecimentos eram a mais importantes já passou, este é o tempo em que a forma como você usa os conhecimentos e influencia os outros lhe levam ao sucesso.
Se tiver feito a sua análise 360o e precisar de coaching, não hesite em contactar-me por e-mail
Tenha uma boa semana!
[1] Zenger, John, Folkman, Joseph e Edinger, Scott (2011) Making Yourself Indispensable. HBR



sábado, 22 de outubro de 2011

Fontes Multiplas de Rendimento

No artigo de 9 de Outubro, referi-me ao sucesso como a realização progressiva de um ideal. Se concordou com esta definição, provavelmente também concorde que, para que se tenha sucesso, é fundamental que primeiro se tenha um ideal ou ideia.

Para quem tem um emprego, provavelmente seja seguro afirmar que o salário de muitos não chega para suprir todas as necessidades, e como tal, muitos optam por controlar as suas despesas, abrir mão de sonhos, ou simplesmente fazer o que dá (normalmente é pouco). A vida não precisa ser assim, podes viver confortavelmente e fazer a viagem dos teus sonho

As pessoas bem sucedidas financeiramente, abraçam o conceito de Fontes Múltiplas de Rendimento (FMR). Uma FMR é um ideia que implementado te permite prover serviços à humanidade, de uma forma legal e que te gera rendimentos. A compensação que geras, é sempre proporcional ao esforço empregue, e ao valor que a humanidade dá a esse serviço. Uma FMR não deve de forma alguma interferir e nem lhe distrair da sua fonte primária de rendimento (o seu emprego)!

O seu emprego fornece-lhe uma vasta rede de contactos (pessoas que conheces em virtude do emprego), e estas podem tornar-se potencias beneficiarias dos seus serviços, e participarem directamente na diversificação da tua renda. Podes capitalizar as redes de contacto. A pessoa que se senta ao teu lado no serviço, na escola, na igreja, no “chapa”, são potenciais clientes e podem ser uma fonte de receita adicional!

Nos dias que correm, existem várias opções de negócios que funcionam através de redes de contactos e que qualificam como FMR. Estas fontes,  permitem-nos gerar rendimentos enquanto dormimos, e esses rendimentos vão se multiplicando de uma forma rápida e confortável. Isto é, recrutas algumas pessoas que estão a tua volta, elas também recrutam e a rede vai crescendo, e os teus rendimentos crescem a medida que a rede cresce. Todo o membro da tua rede quando movimenta o produto, ganhas uma comissão – simples!  Basta um trabalho bem feito durante um período relativamente curto, e tens rendimentos contínuos que podem ser bastante superiores aos rendimentos do emprego.

Gostaria de apresentar-lhe algumas sugestões que poderá considerar se pretende inicial um negócios em rede e começar a ganhar rendimentos de diversas fontes:
1.     http://ATOS.lgnint.com – agência de viagens virtual – faça a viagem dos seus sonhos e ganhe dinheiro - dispões de ajuda para promover o negócio e tem acesso a formação. Para mais informações envie e-mail para mmadeiramz@gmail.com
2.     www.4life.com – cuide da sua saúde enquanto ganha dinheiro.  Esta empresa já está representada em Moçambique, há promoções semanais e formação para lhe ajudar a fazer crescer o seu negócio.  Se estiver interessado/a em assistir uma apresentação sem compromisso, mande um e-mail para mmadeiramz@gmail.com
3.     Para os leitores de sexo feminino, provavelmente já tenham ouvido falar de tupperware, honey (joias e acessórios), Avroy Shlai (cosméticos), Avon (Cosméticos). Se estiver interessado/a em se tornar revendedor/a, por favor, envie um e-mail para mmadeiramz@gmail.com

As oportunidades são várias, o importante é ter força de vontade.

Naturalmente que pode ser criativo e conceber outras ideias para gerar fontes de rendimento, mas lembre-se que a ideia não deve interferir com o seu emprego, você deve desenvolver a actividade fora das horas de trabalho.

Espero por si.  Mande-me um e-mail e diga-me como lhe posso ajudar a se tornar financeiramente independente.  Viva o seu sonho

P.S.  Alguns dos site que sugiro que visite para se inteirar dos produtos estão em Inglês.  Se tal for constrangimento para si, abra a googletranslate.com, seleccione a opção para tradução de Inglês para Português, e copie a link que lhe sugiro, e o site transforma-se em Português!


domingo, 9 de outubro de 2011

Qual é a tua atitude face ao insucesso?


No artigo passado "Motivação e Auto-confiança", referi-se ao sucesso e a sua importância na motivação. Para este artigo, predisponho-me a falar sobre a atitude perante ao insucesso.

Enquanto pensava na melhor abordagem para dissertar sobre este assunto, recebi um artigo em Inglês, através da minha subscrição ao Insight of the day (podes usar o link para te registar e receber artigos e inspiração diária) que fala sobre a vida de Steve Jobs, o co-visionário da Apple que morreu a pouco tempo, vítima de dença.

O que é a a mídia diz sobre ele? "Apple perde um líder visionário que inspirou a computação pessoal através de produtos icônico como o iPhone, iPod e iPhone, o que fez Jobs um dos líderes do sector mais importante da sua geração."

Aos 56 anos Jobs morre deixando esta grande influência no mundo inteiro. Certamente que a vida dele foi um sucesso, mas o trajecto não joi sempre assim!

O artigo abaixo é um discurso que Steve Jobs deu na Univerisdade de Stanford em Junho de 2005. Preste atenção a forma como ele lidou com o insucesso, e compare com a tua atitude face ao insucesso.  O que é que podes aprender com a história dele?  Acima de tudo, que mudanças podes fazer em relação as tuas atitudes face ao insucesso?  Que situação de insucesso estás a viver agora, e que oportunidades podes encontrar nessa situação?  Steve Jobs encontrou essa oportunidade porque estava a procura dela.

A atitude face ao insucesso é uma das

Aqui vai o artigo, em primeira pessoa:

Amor e Perda
Eu tive sorte. Eu encontrei o que gostava de fazer, cedo na vida. Woz e eu começamos a Apple na garagem dos meus pais quando eu tinha 20 anos. Nós trabalhamos duro, e em 10 anos a Apple cresceu de apenas nós dois em uma garagem para uma empresa avaliada em US$ 2 bilhões com mais de 4000 funcionários. Tínhamos acabado de lançar nossa maior criação - o Macintosh - um ano antes, e eu tinha acabado de completar 30 anos. E depois fui demitido. Como você pode ser demitido da empresa que você fundou?

Bem, quando a Apple cresceu nós contratamos alguém que eu achava muito talentoso para gerir a empresa comigo, e para os primeiros anos foi assim que as coisas correram - bem! Mas então nossas visões sobre o futuro começaram a divergir e eventualmente tivemos uma briga. Quando isso aconteceu, nosso Conselho de Administração ficou do lado dele. Então, aos 30 eu estava fora. E muito publicamente fora. O que tinha sido o foco da minha vida adulta inteira tinha ido desmorronado, e isso foi devastador.

sábado, 1 de outubro de 2011

Motivação e Auto-Confiança

É provavelmente seguro afirmar que todas as pessoas tem necessidade de alcançar algo nas suas vidas.  Queremos alcançar algo importante, de valor, de qualidade e com significado para nós.

A medida que a vida acontece,  frequentemente olhamos para trás e fazemos uma análise do que conseguimos alcançar nas várias esferas da vida, como relacionamentos, família, emprego, negócios, independência financeira, carreira, estudos, espiritualidade, etc. O resultado desta análise e o significado que atribuímos aos resultados pode ditar o nível da nossa auto-confiança e motivação para acções futuras.

A motivação não se encontra fora de nós. Não é possível alguém motivar-lo/a a nada.  A motivação vem de dentro de cada um de nós, e ela é alimentada pelos objectivos e ideais, e estes por sua vez definem a nossa atitude perante os desafios da vida.  Se você vai trabalhar e não consegue relacionar o seu trabalho com objectivos e ideais futuros, será difícil se sentir motivado, pois motivação significa MOTIVO para ACÇÃO.

Quando estamos motivados, ganhamos tenacidade para enfrentar obstáculos que possam surgir, pois temos sempre um ideal maior em mente. Quando estamos motivados para alcançar objectivos da nossa vida, predispomo-nos a:
· Melhora a auto-disciplina
· Descobrimos o que somos capazes
· Desafiamo-nos a quebrar todos os limites auto-impostos
· Recompensamo-nos por alcançar os nossos objectivos
· Gozamos de reconhecimento dos nossos amigos, familiares
· Gozamos da sensação de sucesso contínuo
· Desenvolvemos a auto-confiança

A Auto-confiança significa capacidade para enfrentar qualquer situação sem permitir que o medo nos afecte ou que o “ego” tome controle. Quanto mais somos capazes de alcançar algo,

domingo, 25 de setembro de 2011

O coaching como ferramenta para o desenvolvimento do potencial humano


O coaching é uma ferramenta que nos últimos anos tem vindo a ganhar grande aderência como uma forma de melhorar o desempenho em todas as áreas da vida e também despertar talentos adormecidos.

No mundo corporativo, o coaching é usado para melhorar o desempenho laboral, e normalmente focaliza em competências específicas para o alcance de objectivos predeterminados. Naturalmente que devido a relação causa-efeito, as competências pessoais tais como auto-confiança, comunicação, interacção, etc., também ficam grandemente favorecidas, o que contribui para o desenvolvimento do "eu".

Alguns dos benefícios do coaching para a organização são:
  • Permite que os colaboradores desenvolvam capacidades de auto-liderança, o que a longo prazo liberta tempo do supervisor para que se ocupe com aspectos mais estratégicos da organização, pois os colaboradores ficam habilitados para tomarem decisões e levarem os seus projectos adiante com o mínimo de supervisão;

domingo, 28 de agosto de 2011

Você pode negociar a oferta salarial

Uma negociação salarial, é o processo pelo qual o empregador e o candidato alcançam um acordo em relação aos termos e condições de trabalho.

Nas edições passadas, referi-me sobre a importância de se fazer uma pequena "pesquisa de mercado" de forma a obter informação sobre o que o mercado paga para a posição em que se candidata. Assumindo que você foi convidado para a entrevista e foi bem sucedido(a), o passo seguinte será receber uma oferta de emprego que contêm os termos e condições de trabalho (salário, benefícios e outros). A oferta pode ser por escrito ou verbal. Seja em que modelo for, você não deve trata-la como final, mas sim como o início de um processo de negociação.

Como em qualquer negociação, parte-se do princípio que cada uma das partes tem algo que a outra deseja. O empregador deseja adquirir a mão de obra oferecendo como contra partida o emprego assalariado, e sempre que possível, ao valor mais baixo que os seus regulamentos permitem, e o candidato

sábado, 6 de agosto de 2011

Recursos Humanos em Moçambique - Marta Madeira: Respondendo às suas perguntas

Recursos Humanos em Moçambique - Marta Madeira: Respondendo às suas perguntas

Respondendo às suas perguntas

Caros Amigos:

Os artigos anteriores, com especial ênfase para o de 25 de Junho “o que esperar numa entrevista de selecção e como se preparar” geraram muitos comentários positivos e elogios que muito agradeço! Entretanto, também aparecerem várias perguntas de leitores que naturalmente precisam de ajuda. Dedico este artigo à responder as perguntas:


Pergunta 1.  O que  faz alguém que recebe uma proposta para ocupar um cargo que nunca ocupou antes e não tem experiência nenhuma sobre o trabalho a realizar?
A minha sugestão é: aceite a posição se ela tem cabimento nos seus planos de carreira a  médio e longo prazo! A experiência ganha-se na posição e não fora dela.

No artigo de 29 de Maio de 2011 “como se preparar para o mercado de trabalho”, dissertei sobre a importância de se definir o trajecto de carreira, e para tal fazer uma análise FOFA que nos facilita apurar o nosso potencial bem como as fraquezas é bastante útil. Quando temos um plano definido de carreira, torna-se fácil tomar a decisão sobre aceitar ou não uma posição. Por exemplo, se a minha aspiração é tornar-me um Especialista em Recursos Humanos, aceitar uma oferta para a posição assistente de contabilidade não é uma decisão que vai de encontro com as minhas aspirações. Devo seriamente poderar o valor que tal decisão irá acrescentar.

Por vezes recebemos ofertas de emprego para posições que não nos sentimos preparados, mas se temos a analise FOFA feita, poderemos verificar quais são as competências necessárias para a posição que nos é oferecida e avaliar o real potencial de sucesso.

Devo acrescentar entretanto, que por vezes o MEDO do fracasso

sábado, 25 de junho de 2011

O que esperar numa entrevista de selecção e como se preparar

Procurar um emprego é uma tarefa bastante difícil, especialmente no contexto actual em que ter um certificado e a experiência necessária pode não ser suficiente para abrir as portas do tão desejado emprego. É importante usar as redes de contacto (e construí-las) de forma a aumentar as suas oportunidades de ser chamado a uma entrevista de selecção.

Uma vez seleccionado para a entrevista, é importante maximizar a oportunidade. Lembre-se que você vai ser comparado com o perfil desenhado para a vaga (você conhece porque viu o anuncio) e também está a ser comparado com todos os outros candidatos a serem entrevistados (você não os conhece!). É importante impressionar o entrevistador, e convence-lo que você tem algo a oferecer à organização.

Ao ser convidado a entrevista, tente negociar a data e hora da entrevista para pelo menos 48 horas depois da tomada de conhecimento. Este tempo você irá usa-lo para gerir as suas emoções e se preparar. Investigue sobre a empresa, volte a ler o seu CV e o perfil da vaga, prepare a sua imagem, procure saber onde é o local da entrevista, e se o lugar não lhe é familiar, vá até lá.

É normal você se sentir ansioso e nervoso na véspera e no dia. Afinal este é um evento que provavelmente irá definir o seu futuro. A melhor forma de gerir esta emoção é preparar, preparar e preparar! Se você não se preparar para o sucesso, você já está preparado para a derrota!

No dia da entrevista:
 Se é normalmente nervoso, faça exercícios de respiração antes de sair de casa, e pelo caminho, tente se lembrar de eventos alegres a visualize o sucesso, isso pode ajuda-lo a acalmar-se;
 Vista-se para o sucesso. Traje formal, não use cores fortes. Para mulheres, aconselho traje executivo e não festivo;
 O perfume deve ser bem gerido, quase imperceptível. Se o entrevistador for asmático ou alérgico ao perfume, vai precisar de despachar a tua entrevista porque não aguenta com o perfume.
 Na entrevista, mantenha o

Recursos Humanos em Moçambique - Marta Madeira: Como se preparar para o mercado de trabalho

Recursos Humanos em Moçambique - Marta Madeira: Como se preparar para o mercado de trabalho

domingo, 29 de maio de 2011

Como se preparar para o mercado de trabalho

Esta é talvez a grande pergunta que ocupa a mente de vários jovens que estão em vias de entrar para o mercado de trabalho, após terem terminado seus estudos, ou mesmo, ao mesmo tempo que continuam com a batalha para elevar o nível académico. No contexto actual onde o recurso mais valioso das organização já não são as pessoas, mas sim o conhecimento que elas carregam, o grau académico ainda é um dos requisitos favoritos e que oferece vantagem competitiva para quem está a procura de emprego.

Mas será só o grau académico que conta?
O grau académico como bacharelato, licenciatura, mestrado, etc. é muito importante porque confere ao homem conhecimentos de base para o desenvolvimento profissional, bem como a capacidade de abstracção, pensamento independente, de investigação, etc. Espera-se que após a graduação, o pessoa continue investindo na leitura, e investigação, como forma de aperfeiçoar e se actualizar no conhecimento. Entretanto, existem outras competências associadas que os empregadores (e consequentemente os recrutadores) procuram nos candidatos. Algumas das competências são:  


  Iniciativa
  Autonomia
  Auto-Liderança
  Liderança
  Criatividade
  Trabalho em equipa
  Resolução de problemas
  Resolução de conflitos
  Capacidade de negociação
  Capacidade para assumir
   responsabilidades

  Orientação para resultados
  Orientação para clientes
  Capacidade de comunicação
  Capacidades sociais
  Capacidade de colaboração
  Agradabilidade
  Cumprimento de prazos
  Dinamismo
  Empreendedorismo
  Orientação para negócios
  Equilíbrio emocional
  Flexibilidade, etc.



A lista de competências é extensa, mas não significa que todos devemos possuir todas as competências. Dependendo do sector e da posição que se pretende procurar, algumas competências são mais enfatizadas em relação à outras, de modo que, no momento da preparação do nosso instrumento de marketing pessoal (curriculum vitae e carta de apresentação ou de candidatura), devemos realçar as competências chave como forma de chamar a atenção ao recrutador para que este se interesse pelo nosso perfil. Por exemplo, se me candidato para uma posição de gestão, devo realçar as capacidades de liderança, gestão de equipas, gestão de conflito, etc.

Tudo bem, e agora?
O mais importante talvez seja o auto-conhecimento. Primeiro sugiro que comece por fazer uma análise SWOT/FOFA a si próprio como forma de se conhecer melhor. Defina quais são os seus pontos fortes e fracos. Peter Drucker em Managing Oneself sugere que, alcançamos excelência de uma forma consistente quando operamos numa combinação de auto-conhecimento e capitalização dos pontos fortes. A análise pode ser feita respondendo com honestidade às seguintes perguntas:

  1. Quais são os meus pontos fortes?
  2. Como é que eu trabalho?
  3. Quais são os meus valores?
  4. Qual é que pode ser a minha contribuição para a sociedade?
  5. Que aspectos sociais/económicos/políticos é que despertam a minha atenção?
  6. Qual é a minha visão para os próximos 10 anos?
  7. Onde é que pertenço ou pretendo pertencer?
Responder a estas perguntas parece fácil, mas se decidir ser sério e franco irá notar que não tem resposta para certas perguntas porque nunca parou para pensar nelas ou não tem o devido autoconhecimento. Responda por escrito pois este exercício era ajudá-lo a pensar com profundidade no que está a escrever. Guarde as suas anotações e logo de seguida inicie uma análise de 360º – faça as perguntas 1-5 a pessoas a sua volta (pais, irmãos, colegas da escola, professores, colegas de serviço, etc.). Escolha pessoas idóneas que lhe possam dar respostas honestas, e certifique-se que sejam pessoas de todos os níveis. Por exemplo, se trabalha, escolha alguns superiores a si, outros do mesmo nível e outros abaixo de si para que tenha uma visão ampla sobre você na realidade é e como é percepcionado. Explique as pessoas sobre as suas intenções em relação as perguntas, assim elas se sentirão à vontade em falar das suas fraquezas pois irão perceber que é para o seu bem.

Esta análise irá gerar informação que lhe indicará quais são as suas competências, em que aspectos precisa melhorar e talvez lhe ajudem a despertar sobre os seus reais interesses e habilidades, e consequentemente para que área de trabalho poderá estar vocacionado.

Como preparar a procura?
Uma vez definida a área em que pretende trabalhar, comece

sábado, 21 de maio de 2011

O Papel do Gestor de Recursos Humanos

Durante uma acção de formação, uma das formandas perguntou:   O que é preciso para se ser um Gestor de Recursos Humanos? Pela pertinência da pergunta, considerei que este pudesse ser um excelente pontapé de partida para o blog Recursos Humanos em Moçambique.

Na nossa praça temos algumas saídas que nos levam a esta profissão.  Temos os cursos de Psicologia organizacional, que nos levam a desenvolver capacidades para interpretar o comportamento humano e ao mesmo tempo dão-nos conhecimentos técnicos para operar como psicólogos organizacionais. A outra saída refere-se aos recentes cursos de Gestão de recursos Humanos que tem um currículo com uma abordagem mais empresarial; e finalmente, temos os cursos vocacionais de curta e longa duração, que se ocupam em dar ferramentas básicas e trazer à sensibilidade do formando o conjunto de funções e competências necessárias para se operar nesta profissão.

Naturalmente que cada uma destas três saídas tem as suas vantagens e desvantagens. Como produto da primeira saída, não deixo de confessar que esta (ainda) é a opção que me deixa mais confortável pois, ser exposto a aspectos relacionados com a personalidade humana é fundamental para perceber vários outros aspectos ligados ao comportamento das pessoas dentro da organização. Entretanto, gostaria de também ter sido exposta a áreas mais como empreendedorismo, marketing, etc.

O papel e responsabilidades da gestão de recursos humanos têm evoluído e dado passos bastante firmes e determinantes, rumo a uma abordagem mais estratégicas e centrada em encontrar soluções que maximizam o retorno da organização, através da gestão efectiva do capital humano.

Para gerir recursos humanos, não basta apenas administrar os tradicionais índices tais como a rotatividade, absentismo, tempo que se